25 agosto, 2005

Primeira parada, Ecovila Karaguatá

Saimos da super fria Bagé em direção a Santa Cruz, mais propriamente à Linha Ficht, onde vivem os lindos amigos da Ecovila Karaguatá. Há 3 anos estruturam uma proposta de convivência e crescimento comum, guiados pela biodança, e por suas incríveis experiencias de vida.
Kaylo dizia que queria ficar lá para sempre, pois tinha os amigos Gabriel , Ian, Leo, e a princesa Janaina, e suas respectivas mães maravilhosas, que faziam daquele colorido lugar uma ambiente delicioso, na dose certa de alegria e carinho.
Quando chegamos plantamos frutíferas, e experimentamos a tipa-guaçu, uma torta guarani a base de milho verde, que a essa altura já virou base da nosssa alimentação - muito boa!

Nossa expectativa era na verdade de ficar por só uns dois dias, mas de coração conquistado, acabamos achando genial a proposta que nos fizeram de fazermos uma oficina de construção em pau-a-pique, de uma piscina em ferrocimento (para as crianças e para o armazenamento de água da chuva) e de sabão e xampu biodegradáveis, cuja oficina seria oferecida pela Ju (Faber) e pela Jessica. E com o passar do tempo, vinha a chuva e o frio que só permitiam que fizessemos os primeiros testes com o barro local e demos uma adaptada no plano original, que a essa altura era o de visitar Arzelindo e Maristela Ferro, um casal de agricultores ecológicos que vive em sua comunidade de origem italiana em São Domingos, norte do RS, assim como o amigo Sérgio sua companheira e Raniera, que não por acaso assessora a família através do CETAP.